Quem vai aturar essa geração de crianças mimadas que estamos criando?

Na semana passada, o McDonald’s lançou a promoção de bonecos do Super Mario como brindes do McLanche Feliz. Por pouco as crianças e os marmanjos barbudos de São Paulo não pegam a promoção. Em julho deste ano, a Câmara da cidade aprovou a proibição de vendas casadas de brinquedos nas redes de fast food – projeto que mais tarde foi vetado pelo prefeito Haddad.

A maioria dos projetos de lei faz o oposto da intenção que tinha. Também foi alegando o bem das crianças que sumiram com a programação infantil na TV. E o pouco que sobrou de desenhos animados está para desaparecer – não há mais patrocinadores. A partir de abril de 2015, o único programa infantil da Globo, que atualmente passa nas manhãs de sábado, será substituído por Mais Você, Bem Estar e Encontro com Fátima. Para o bem das crianças, tiram delas o Dragon Ball e o Bob Esponja e devolvem André Marques e Ana Maria Braga. As crianças que se virem com o Louro José.

Brasil é um país avançado. Isso se vê nos projetos de lei que importamos da Escandinávia. Discutimos brinde de McLanche Feliz enquanto 41% das residências não tem nem rede de esgoto. Como disse antes, a propaganda voltada para o público infantil é proibida, mas o país está nas piores posições dos rankings de educação mundial; gays e lésbicas podem se casar, mas estão sujeitos a levar lampadadas na cabeça; o marco é civil, mas um ou outro é civilizado.

Leia também:
Publicidade infantil é o tema da redação do Enem
As aventuras da Turma da Mônica contra o fim da publicidade infantil

Na internet, é comum ridicularizar o que se entende por classe privilegiada chamando de classe média sofre. Ao mesmo tempo, defendem uma lei que proíbe propaganda infantil alegando que é abuso para a criança. Quem entende. E tem coisa mais mais classe média sofre do que uma lei que protege a criança de propaganda de boneca Peppa Pig? Quero saber: quem vai aturar essa geração de crianças mimadas que estamos criando?

Se sobrar para mim, alegarei homossexualidade. E para não passar fome, sacarei da gaveta meu projeto de músicas infantis politicamente corretas. Os títulos, pelo menos, eu já tenho:

 

– O Cravo Brigou Com a Rosa e Foi Preso Pela Lei Maria da Penha

– Marcha Polícia Desmilitarizada

– Eu Sou a Nova Classe C de Marré Deci

– Se Você Sofreu Homofobia Bata Palmas

– Se Você Sofreu Assédio Sexual Disque 100

– Boi da Cara Asiática

– A Galinha Anoréxica

– A Rica e a Mulher em Situação de Rua

– Rap da Moça que Trabalha Lá em Casa

– Atirei o Pau no Patriarcado

– Cisgênero Cururu

– Brilha Brilha Estrela Drag Queen

– Meu Lanchinho (É Seu Também)

– A Canoa Virou (É Trans*)

– Pombinha Branca e Pintinho Amarelinho: uma Falsa Simetria

– Borboletinha Não Tá na Cozinha Porque Não É Obrigada

– Pirulito Que Afaga Afaga

– A Dona Aranha Subiu na Vida Graças a Programas Sociais

– Estava a Senhora da Melhor Idade a Fiar

– O Sapo Não Lava o Pé, Não Lava Porque Tem Consciência Sustentável

– Em Situação Análoga a de Escravos de Jó

– A Barata Diz Que Tem, Deveria ser Presa Por Ostentação

Clique e vá para o blog.

 

mnv

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *