Reciclagem – Proposta de Intervenção.

Quem disse, Berenice? troca embalagens vazias por batons

A destinação correta dos resíduos fica por conta da própria empresa, que destinará os materiais a cooperativas de reciclagem.

Quem disse, Berenice? troca embalagens vazias por batonsEstão inclusas no projeto as embalagens de todos os produtos da marca. | Foto: Divulgação

 

 A Marca Quem disse, Berenica? acaba de anunciar o projeto “Retorna Berê”. A proposta é incentivar os consumidores a descartarem as embalagens de cosméticos adequadamente. Para isso, a empresa retribui o cuidado com um batom cremoso.

A campanha começa a vigorar no dia 5 de junho, em comemoração ao Dia do Meio Ambiente, e não tem data para acabar. A partir da próxima semana, as lojas da marca já estarão recebendo as embalagens vazias e realizando as trocas.

Estão inclusas no projeto as embalagens de todos os produtos da marca, mas é necessário que elas estejam completas para que a troca seja feita. Os clientes que forem as lojas com cinco embalagens nessas condições ganham o batom cremoso.

A destinação correta dos resíduos fica por conta da própria empresa, que destinará os materiais a cooperativas de reciclagem.

Redação CicloVivo

FONTE: http://ciclovivo.com.br/noticia/quem-disse-berenice-troca-embalagens-vazias-por-batons/

Máquina permite reciclagem de papel dentro do próprio escritório

O sistema produz, em média, 14 folhas por minuto e 6.720 folhas A4 em um dia de oito horas de trabalho.

Máquina permite reciclagem de papel dentro do próprio escritórioO equipamento é capaz de produzir papel novo a partir de resíduos de papel triturado, sem a utilização de água. | Foto: iStock by Getty Images

A empresa planeja começar a produção comercial do maquinário em 2016 no Japão. Mas, a ideia é levar o produto a outras regiões do mundo. Com a PaperLab, empresas e órgãos governamentais podem produzir papéis com tamanhos, espessuras e gramaturas diferentes, a partir de papéis que seriam descartados.

Um protótipo do produto foi apresentado em dezembro, durante a Eco-Products 2015, uma exposição sobre tecnologias sustentáveis, que foi realizada no Tokyo Big Sight (Centro Internacional de Exposições Tokyo).

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

As características do novo sistema de reciclagem beneficiam os donos dos escritórios e empresas.  Normalmente, o processo de reciclagem é longo e, geralmente, inclui o transporte de resíduos de papel do escritório para o centro de reciclagem responsável. A PaperLab concentra todo processo de reciclagem no próprio local, sem precisar de logística de descarte.

Outro benefício é a facilidade e garantia de segurança na eliminação de documentos confidenciais. Com a nova máquina, as companhias podem remover os resíduos elas mesmas, de forma segura e prática.

O sistema gera um papel novo apenas três minutos depois de receber o resíduo. Ele é capaz de produzir, em média, 14 folhas por minuto e 6.720 folhas A4 em um dia de oito horas de trabalho. Os usuários podem desenvolver vários tipos de papel para atender às suas necessidades, tanto A4 quanto A3 de diferentes espessuras, além de cartões de visita e papéis coloridos.

A tecnologia usada no sistema foi chamada de “Dry Fiber” e criada pela própria Epson. Este modelo permite a produção de papel sem a utilização de água no processo de reciclagem, como acontece nos sistemas convencionais. Por ser compacta, a máquina pode ser usada até mesmo em escritórios pequenos.

FONTE: http://ciclovivo.com.br/noticia/maquina-permite-reciclagem-de-papel-dentro-do-proprio-escritorio/

Com reciclagem, Apple recupera US$ 40 milhões em ouro

O ouro está presente em diversos componentes internos de smartphones, computadores e outros eletrônicos.

Com reciclagem, Apple recupera US$ 40 milhões em ouroA Apple investiu em uma máquina que garante a automação do processo. | Foto: Divulgação

De acordo com o relatório de sustentabilidade da Apple, a empresa conseguiu recuperar quase 28 mil toneladas de metais, provenientes dos aparelhos descartados e fora de uso. Todo esse resíduo deixou de ser simplesmente rejeitado, para ganhar novos usos.

Em um smartphone, por exemplo, os componentes internos, como condutores e câmeras possuem pequenas quantidades de ouro. Somando tudo isso, cada aparelho celular rende, em média, 30 mg de ouro. Isso sem contar todo o metal precioso usado na fabricação de computadores e outro eletrônicos.

Para tornar o processo de reciclagem mais eficiente, a Apple investiu em uma máquina que garante a automação do processo. Para se ter ideia, o equipamento é capaz de desmontar um iPhone em apenas 11 segundos.

Apenas em 2015, a companhia norte-americana conseguiu reciclar diversos materiais, entre eles: plástico, vidro, zinco, alumínio, prata, ouro, níquel e cobalto.

Redação CicloVivo

FONTE: http://ciclovivo.com.br/noticia/com-reciclagem-apple-recupera-us-40-milhoes-em-ouro/

Fábrica de café em Jundiaí destina corretamente 100% de seus resíduos

Todas as ações produzidas serão replicadas na planta de Salvador.

23 de março de 2016 • Atualizado às 16 : 04

Fábrica de café em Jundiaí destina corretamente 100% de seus resíduosA JDE aplicou a substituição da destinação para aterro pela incineração e coprocessamento com recuperação energética. | Foto:JDE/Divulgação

Alinhada à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que atua na prevenção e redução na geração de resíduos, a planta industrial da companhia JDE (Jacobs Douwe Egberts) acaba de alcançar a meta do Aterro Zero em toda a operação. Localizada em Jundiaí, São Paulo, a empresa é detentora das marcas Pilão, Damasco, LO’R, Café do Ponto, Senseo e Caboclo.

Para atingir a meta de 100% do destino correto dos resíduos e eliminar o envio para aterro sanitário, a JDE trilhou importantes etapas. A primeira delas foi concretizada ainda em 2015, quando 98% de todo o resíduo gerado na operação passou a contar com a destinação adequada. Nesse contexto foram introduzidos o aprimoramento da segregação por meio da reforma da área de resíduos permitindo uma melhor triagem dos insumos que integram o ciclo de produção, destinação de resíduos orgânicos do restaurante e poda para compostagem. Graças à conscientização e o engajamento de todos os associados, os resíduos de alimentos recolhidos no restaurante são encaminhados para a compostagem e transformados em fertilizantes.

Resolvida a questão dos rejeitos sólidos, a atenção do projeto foi direcionada à questão dos resíduos sanitários e lixo comum, resíduos sem reciclagem. Nesse ponto, a JDE aplicou a substituição da destinação para aterro pela incineração e coprocessamento com recuperação energética, no qual o resíduo é utilizado como combustível para os fornos, substituindo carvão ou gás natural.

IMG_8338

| Foto: JDE/Divulgação

Ah5FE-iueZsiNy9n360eQiW3YmmtjW7JPEzVplSGkFXM

| Foto: JDE/Divulgação

“Focada no compromisso de conquistar o Aterro Zero na planta, a JDE desenvolveu um conjunto de ações voltados à conscientização e mudança de comportamento dos associados acarretando na redução de desperdício e melhoria da segregação de materiais, além do desenvolvimento de novos destinatários, oportunidades de negócio junto a parceiros estratégicos e o investimento em novos processos e tecnologias”, explica Carlos Passini, Diretor Industrial da JDE Brasil.

Após essa importante conquista em Jundiaí, todas as ações produzidas serão replicadas na planta de Salvador, com a meta de que o Aterro Zero seja alcançado até 2017.

A JDE em números:

Ao final de 2015 a Unidade de Jundiaí destinou 462 toneladas de resíduos para a reciclagem e 3200 toneladas de resíduos de café, orgânicos provenientes do restaurante e de jardinagem para compostagem.

Em fevereiro de 2016 a meta de aterro zero foi alcançada: aproximadamente 5 toneladas de lixo comum e sanitário passou a ter destinação correta.

 Casca de café vira fertilizante

Durante a torra do café, o processo produtivo realiza a extração da película que envolve o grão de café. Pensando na destinação adequada, a JDE Brasil realizou parceria com uma indústria de fertilizantes em Jundiaí para que o insumo seja transformado em fertilizante orgânico para as lavouras.

Por ano, mais de três mil toneladas de cascas de café se tornam insumo para a produção de adubo utilizado para as mais diversas culturas agrícolas.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FONTE: http://ciclovivo.com.br/noticia/fabrica-de-cafe-em-jundiai-destina-corretamente-100-de-seus-residuos/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *