IPAM e COIAB vencem prêmio Empreendedor Social do Ano


IPAM e COIAB vencem prêmio Empreendedor Social do Ano

07.12.2020 • Sem categoria

daisy photographed from below

 

 

O aplicativo Alerta Indígena Covid-19, desenvolvido pelo IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) e a COIAB (Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira), foi uma das 30 iniciativas que receberam hoje o prêmio Empreendedor Social do Ano, promovido pela Folha de S.Paulo e pela Fundação Schwab, que neste ano destacou ações de resposta à covid-19.

O Alerta Indígena Covid-19 ajuda comunidades indígenas a se informarem sobre avanços do novo coronavírus. Com dados do Ministério da Saúde, de lideranças e organizações de rede da COIAB e de profissionais de saúde indígena, o aplicativo mapeia avanços da doença em um raio de 100 quilômetros ao redor da região de cada terra indígena na Amazônia. O usuário tem acesso a uma lista com todos os municípios próximos de seu território que tenham casos de coronavírus confirmados. Dessa maneira, pode evitar trafegar por áreas com mais risco de contaminação e ajudar a orientar estratégias de ações e combate ao vírus. O app ainda permite o registro de novos casos pela COIAB.

Nayra Kaxuyana, assessora técnica da COIAB, responsável pelo levantamento dos casos entre os povos indígenas da Amazônia, diz que aplicativo foi pensado para dar visibilidade a parentes indígenas e para informar o impacto do coronavírus na região. “Sabemos que a informação pode salvar vidas e, com o apoio do IPAM, desenvolvemos uma ferramenta eficiente para monitoramento e prevenção dessa doença.”

A pesquisadora do IPAM Martha Fellows, membro da equipe que trabalhou diretamente com a COIAB, destacou que o prêmio é um “reconhecimento de que a pauta de saúde indígena precisa ser tratada com urgência”. Cerca de 700 indígenas morreram vítimas de covid-19 no Brasil; mais de 130 povos já foram contaminados pela doença só na Amazônia. “Por trás de cada número há uma pessoa, uma história de luto e luta que não pode ser apagada”, diz Fellows.

A diretora de Ciência do IPAM, Ane Alencar, destacou o papel do aplicativo no combate à subnotificação, como uma “ferramenta importante de apoio aos povos indígenas”.

Fonte: https://ipam.org.br/ipam-e-coiab-vencem-premio-empreendedor-social-do-ano/

 

SOBRE O IPAM 

PROPÓSITO

O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) é uma organização científica, não governamental, apartidária e sem fins lucrativos que desde 1995 trabalha pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia. Nosso propósito é consolidar, até 2035, o modelo de desenvolvimento tropical da Amazônia, por meio da produção de conhecimento, implementação de iniciativas locais e influência em políticas públicas, de forma a impactar o desenvolvimento econômico, a igualdade social e a preservação do meio ambiente.

A nossa missão é promover ciência, educação e inovação para uma Amazônia ambientalmente saudável, economicamente próspera e socialmente justa.

Nossa história

Em 1995, ainda influenciados pelos desdobramentos da ECO 92, um grupo de pesquisadores se juntou em Belém para criar o IPAM, uma organização não governamental com uma abordagem pioneira: produzir conhecimento científico engajado a ações no campo e discussão de políticas públicas. Naquele momento havia muitas perguntas sobre a Amazônia e a velocidade e as causas da sua devastação, sua influência na regulação climática e os passos para gerar um modelo de desenvolvimento sustentável para a população local.

Ao longo dos anos, o IPAM deu importantes contribuições para o Brasil e o mundo produzindo conhecimento e testando a aplicação e a viabilidade de políticas públicas. Depois de 20 anos se conhece mais sobre a Amazônia, mas os desafios persistem e se renovam. Aquele pequeno grupo se expandiu para nove escritórios e cerca de cem colaboradores, mas a abordagem do IPAM se mostra ainda necessária.

ATUAÇÃO

O IPAM atua estrategicamente em três eixos, com uma abordagem que privilegia três passos: o conhecimento, com produção, organização e disseminação de conteúdo técnico-científico; a viabilidade, com construção, implementação e teste de modelos em campo; e a escalabilidade, com promoção de mudanças em processos decisórios com impacto em larga escala.

 



Produção familiar sustentável

Alimentos saudáveis, qualidade de vida e preservação da floresta

Nossa visão: produção familiar fortalecida e sem desmatamento, com acesso a crédito e aos mercados, gerando mais renda e qualidade de vida para os produtores familiares.

Buscamos gerar impacto com regularidade ambiental, contribuindo para o aumento da renda no campo, a segurança alimentar e o fim do desmatamento; políticas públicas voltadas para a produção familiar estruturadas e em operação; e o reconhecimento de produtores familiares como um segmento chave para o desenvolvimento sustentável da Amazônia e para a redução dos impactos das mudanças climáticas.

Territórios naturais protegidos

Conservação e governança em áreas protegidas

Nossa visão: áreas protegidas expandidas, consolidadas e valorizadas, como vetores de desenvolvimento sustentável e gerando benefícios às populações locais.

Buscamos criar impacto com um sistema de áreas protegidas consolidado (com governança, gestão compartilhada, investimentos, qualidade de vida e segurança alimentar e territorial); pela expansão do sistema de áreas protegidas indicando um uso de conservação para as áreas ainda não destinadas na Amazônia e no Cerrado; pela implementação de estratégias de adaptação a mudanças climáticas para as áreas protegidas; e com uma sociedade informada do papel das áreas protegidas para a conservação e geração de serviços ecossistêmicos.

Agropecuária de baixo carbono

Desmatamento zero com mais produção

Nossa visão: é possível atingir o desmatamento zero com valorização dos ativos florestais, concomitante com o aumento da produção agropecuária de larga escala e a redução das emissões de carbono.

Buscamos gerar impacto pela implementação do desmatamento zero, com uma economia de baixo carbono fortalecida, ativos florestais economicamente valorizados e padrões de consumo que contribuem para o desmatamento zero adotados pela sociedade.

Fonte: https://ipam.org.br/pt/


Categorias:

Meio Ambiente | Empatia | Solidariedade | Saúde | Sustentabilidade | Empreendedorismo | Indígenas |