A ÚLTIMA ABOLIÇÃO

A ÚLTIMA ABOLIÇÃO (Documentário Globo News, 17/11/2018)

Este Documentário, gravado da Globo News (17-11-2018), faz uma retrospetiva detalhada de um momento emblemático da História do Brasil, a ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO, no dia 13 de maio de 1888, apresentado de uma outra perspectiva. Ao contrário do que foi pregado por livros didáticos e outras vertentes da História oficial por muito tempo, não foi meramente a assinatura da Princesa Isabel na Lei Áurea em 13 de maio, que libertou os escravos, e tampouco tal liberdade foi um presente ou um passo na direção do “mito da democracia racial”. Explorando imagens de arquivo e tendo como fio condutor o depoimento de especialistas e estudiosos do processo abolicionista, o documentário explora os meandros dos diversos projetos e ações das mais variadas lideranças e personalidades, na luta abolicionista, principalmente na segunda metade do século XIX. POPULAÇÃO NEGRA É MAIORIA NO BRASIL, 131 anos após a “abolição da escravatura”, em 13 de maio de 1888. De acordo com o IBGE, em 2016, os PRETOS e PARDOS somavam 54,9 da população brasileira. Entre 2012 e 2016, o número de brasileiros que se autodeclaram pretos aumentou 14,9% no país. No mesmo período, também cresceu a quantidade dos que se consideram pardos, enquanto diminuiu o percentual de brancos na população. É o que revela a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), divulgada nesta sexta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a pesquisa, em 2012, quando a população do país era estimada em 198,7 milhões de pessoas, os brancos eram maioria (46,6%), os pardos representavam 45,3% do total, e os pretos, 7,4%. Já em 2016, a população saltou para 205,5 milhões de habitantes (aumento de 3,4%), e os brancos deixaram de ser maioria, representando 44,2% (queda de 1,8%). Os pardos passaram a representar a maior parte da população (46,7%) –aumento de 6,6%– e os pretos são agora 8,2% do total de brasileiros. Dois fatores podem explicar o crescimento da população preta, conforme a gerente da pesquisa, Maria Lúcia Vieira. “O primeiro é o aumento da fecundidade entre pessoas negras. O segundo é o aumento de pessoas que passaram a se reconhecer na cor preta”, apontou. Para especialistas, a cor preta deixou de ser um ônus e passou a ser um fator de orgulho.


Fonte:
https://www.youtube.com/watch?v=TcK-Ta0drLU&feature=share&fbclid=IwAR1WcRFxJpOOYJSAgm4io6dAh-UlT8cg-kT7oEgfFnBAU26IzpYjnCjFxCU

Post Author: Priscila Germosgeschi

Formada no curso de Letras na UFMT. Professora na rede particular desde 2001. Professora de Redação em Curso Pré Vestibular na cidade de Cuiabá (MT).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *