A SOCIEDADE 24 HORAS

 
 

A sociedade 24 horas

Enquanto a maioria dorme, outros permanecem acordados para manter a produção e os serviços operando. Além de prejudicar a saúde física e mental de quem trabalha à noite, a inversão de horários expõe todos a um risco maior de acidentes

janeiro de 2008
Claudia Roberta de Castro Moreno, Frida Marina Fischer e Lúcia Rotenberg
© LESTER LEFKOWITZ/CORBIS – LATINSTOCK

“A claridade do dia me incomoda, o barulho me impede de ter um sono tranqüilo e o tempo de descanso é muito curto.” A frase é de uma mulher de 45 anos que passa muitas noites em claro, não por insônia nem por diversão, mas porque é auxiliar de enfermagem de um hospital. Seu depoimento ilustra as dificuldades de quem trabalha à noite, em turnos regulares ou não. A maioria da população não tem idéia do que é isso, e não se lembra de que, todas as noites, um grande número de pessoas trabalha para manter funcionando o atendimento de saúde, o tratamento de água e esgoto, a produção de energia, as telecomunicações, a segurança pública, o recolhimento do lixo, o transporte de cargas, a extração de petróleo, a produção de alimentos, as lojas de conveniência, as portarias dos edifícios – a lista é enorme.

Poderíamos prescindir da produção e das atividades ininterruptas disponíveis 24 horas por dia? Apesar de ser uma tendência relativamente recente, surgida nos últimos dez anos, dificilmente abriríamos mão dessas conveniências. Importante ressaltar, porém, que a despeito dos lucros, o custo da sociedade 24 horas é alto − e não apenas o custo econômico. O trabalho noturno afeta a saúde física e mental dos indivíduos e suas conseqüências podem ser sentidas pela sociedade toda. Alguns exemplos: o acidente nuclear de Chernobyl e a explosão da Challenger, ambos em 1986, e um dos piores vazamentos de petróleo da história, no Alasca em 1989; todos desastres relacionados à privação de sono.

O ser humano dorme à noite não por convenção social, mas porque seu organismo expressa ritmos que são resultado de um longo processo de adaptação de nossa espécie ao ciclo ambiental claro-escuro do planeta Terra. A inversão dos horários de atividade e de repouso que o trabalho noturno impõe nunca é bem-sucedida do ponto de vista fisiológico e está relacionada a uma ampla gama de problemas de saúde: transtornos digestivos, cardiovasculares, reprodutivos, além dos mais óbvios, que são os distúrbios de sono.

 
© DREAMSTIME
MULHERES SOFREM MAIS com trabalho noturno: tolerância à inversão de turnos depende de características pessoais

RITMOS DESAJUSTADOS
A síndrome metabólica (caracterizada por obesidade abdominal, resistência à insulina e um conjunto de fatores de risco cardiovascular) é mais comum nas pessoas que, por causa do trabalho, trocam o dia pela noite. Uma revisão recente feita pelo pesquisador Anders Knutsson, da Universidade de Umea, Suécia, sugere que o risco de câncer de mama é maior em mulheres que trabalham no turno da noite.

No entanto, como não poderia deixar de ser, as queixas mais comuns dessas pessoas são os distúrbios do sono. Afinal, dormir de dia − enquanto o mundo está acordado e fazendo barulho − não é a mesma coisa. Diversos estudos mostram que além de a duração do sono dos trabalhadores noturnos ser menor, sua qualidade é pior. De forma geral, eles sofrem de privação crônica de sono e as conseqüências são déficit cognitivo e motor, alterações de humor que podem levar a depressão, fadiga crônica, baixos níveis de alerta e aumento do risco de acidentes. Agora pense nas possíveis conseqüências da combinação de todos esses fatores em um motorista de caminhão que dirige na mesma estrada que você ou em um médico que pode atendê-lo em um pronto-socorro.

Além de ter a saúde afetada, quem trabalha à noite está mais exposto a problemas de ordem psicossocial, já que seu cotidiano é muito diferente do de sua família e da comunidade em que está inserido. O desencontro de horários tende a restringir as oportunidades de interação social. As dificuldades se agravam no caso dos turnos irregulares, como são os de motoristas de caminhão que fazem viagens interestaduais. Como dependem da oferta de carga e das demandas de entrega, eles costumam trabalhar sem escalas predeterminadas e com jornadas extenuantes. Nos longos trajetos, passam muito tempo longe da família e dos amigos. Efeitos negativos nas relações sociofamiliares também são muito comuns em pilotos, comissários de bordo e controladores de vôos.

Segundo dois dos maiores especialistas no assunto, o americano Timothy Monk, da Universidade de Pittsburgh, e o britânico Simon Folkard, da Universidade de Swansea, Reino Unido, o trabalho noturno interfere em três aspectos da vida familiar: no cuidado doméstico − que afeta principalmente as mulheres, pois a sociedade espera mais delas esse tipo de responsabilidade; na interação social − que por razões culturais tende a acontecer à noite e nos fins de semana; e nas relações sexuais − porque durante o dia dificilmente o cônjuge está disponível, além de as crianças estarem acordadas. A mulher sofre mais com o trabalho noturno, já que a dupla jornada dificulta a reorganização de sua rotina diurna, especialmente se ela tem filhos. As atividades domésticas e o cuidado com as crianças quase sempre têm prioridade em relação às necessidades de sono.

© STOCK.XCHNG
NOITE EM SÃO PAULO: inversão de horários tem custo para a saúde individual e para a sociedade

É possível adaptar-se ao trabalho noturno? Embora algumas pessoas digam que sim, na verdade não se trata exatamente de uma adaptação, mas de diferentes percepções das conseqüências desse “estilo de vida”, o que resulta numa tolerância extremamente variável entre os indivíduos. Estudos mostram que a tolerância é influenciada por fatores intrínsecos (idade, sexo, estado de saúde, traços de personalidade, características relacionadas aos ritmos biológicos, como matutinidade e vespertinidade, entre outras) e extrínsecos (condições de moradia, satisfação com o trabalho, características do sistema de turnos, conciliação da vida pessoal com horários de folga etc.).

Dado o número de variáveis que interferem na tolerância ao trabalho noturno, não há como prever quais pessoas serão mais ou menos tolerantes e que estratégias serão mais eficientes para combater os prejuízos à saúde e à vida social. O que se nota, entretanto, é que geralmente os problemas tendem a se agravar com o envelhecimento devido a uma desregulação crônica dos ritmos biológicos, o que, além de piorar ainda mais a qualidade do sono, propicia o desenvolvimento de doenças. É por isso que a avaliação médica periódica é especialmente importante nessa população, de modo a detectar precocemente os sintomas de intolerância, como problemas digestivos e reprodutivos, consumo elevado de medicamentos (especialmente estimulantes), depressão, distúrbios de sono e acidentes.

MAIS FOLGAS
Infelizmente não há solução para os problemas causados pelo trabalho noturno e em turnos, apenas recomendações que podem reduzir seus efeitos nocivos na saúde física e psíquica. Entretanto, cada tipo de turno apresenta vantagens e desvantagens, de forma que cada situação específica merece uma análise detalhada; isto é, não há receitas prontas. Aumentar o número de folgas, regulamentar a aposentadoria precoce ou a transferência para turnos diurnos, por exemplo, são algumas formas de amenizar os problemas. Pesquisas mostram que o número de noites consecutivas trabalhadas deve ser o menor possível. A cada seqüência de jornadas noturnas, são necessários ao menos dois dias de folga, já que as primeiras 24 horas após a última noite de trabalho geralmente são usadas para o descanso em vez do lazer. O ideal é que as folgas sejam aos finais de semana e não inferiores a 11 horas. Uma tendência crescente nas empresas é a adoção de esquemas mais flexíveis, com jornadas diárias de duração variável, horários personalizados, alternância entre meio-período e período integral e transferência temporária para o turno diurno. Além dos benefícios para o trabalhador, tais medidas também são vantajosas para as empresas, que acabam registrando número menor de acidentes e de ausências por motivo de saúde; logo, a produtividade aumenta.

© SHAUN LOWE/ISTOCKPHOTO
PESQUISA COM 10 mil motoristas de caminhão: riscos para a segurança

MELATONINA E FOTOTERAPIA
Dois tipos de intervenção vêm sendo investigados para promover o ajuste dos ritmos biológicos ao trabalho noturno na tentativa de minimizar suas conseqüências para a saúde pública. Um deles é a administração oral de melatonina, hormônio produzido pela glândula pineal, localizada entre os dois hemisférios cerebrais. A melatonina está diretamente ligada à regulação do ciclo vigília-sono, e a luz que incide na retina inibe sua secreção. Diversas pesquisas indicam que, se administrado em determinados horários, esse hormônio pode melhorar a qualidade do sono diurno e diminuir a sonolência durante a vigília, facilitando a adaptação das pessoas ao trabalho noturno.

Outra possibilidade em estudo é fototerapia, isto é, a exposição a fontes de luz de alta intensidade, a chamada luz intensa ou bright light. De forma bem resumida, funciona assim: a exposição à luz forte em certos horários modifica a resposta do organismo ao ciclo claro-escuro, encurtando ou prolongando o dia ou a noite “internos”. Os cientistas estão tentando descobrir quais intensidades de luz, comprimentos de onda, duração e horários são mais adequados para produzir efeitos positivos na qualidade do sono dos trabalhadores. Algumas pesquisas indicam que a exposição à luz intensa durante o horário de trabalho aumenta os níveis de alerta durante a madrugada. É possível que a fototerapia seja adotada por grandes empresas num futuro não muito distante.

A atividade física parece ser também uma boa estratégia para melhorar a tolerância ao trabalho noturno, como indicam as pesquisas realizadas por Mikko Härma, do Instituto de Saúde Ocupacional de Helsinque, Finlândia. Em um dos estudos, 150 enfermeiras participaram de um programa de condicionamento físico moderado, com duração de quatro meses, que incluiu corrida, natação, ginástica e caminhada, de duas a seis vezes por semana. Quando comparadas ao grupo controle, elas se sentiram menos cansadas e sonolentas, sem contar os benefícios musculares e cardiorrespiratórios.

Resultado semelhante foi obtido por uma de nós (Claudia Roberta de Castro Moreno) num estudo com mais de 10 mil motoristas de caminhão. O exercício físico, regular ou ocasional, foi um fator de proteção contra a apnéia obstrutiva do sono, um dos distúrbios do sono mais comuns nessa população.

A remuneração extra é o principal atrativo do trabalho noturno, mas vale lembrar que ela reflete o reconhecimento dos efeitos nocivos do trabalho nesse horário. Nem uma coisa nem outra ajudam as pessoas a dormir melhor e a lidar com os desafios psicossociais a que estão expostas, nem diminuem os riscos de acidentes que muitas vezes ameaçam toda a sociedade. Por isso há um consenso entre os pesquisadores da área de que as ações relacionadas ao trabalho em turno não podem se restringir a uma simples questão monetária. A privação de sono decorrente da sociedade 24 horas tem um preço ainda mais alto do ponto de vista social e da saúde pública.

© CHRIS WILKINS/AFP / RIA NOVOSTI/TOPFOTO – KEYSTONE

TRAGÉDIA NUM PISCAR DE OLHOS

Pouco antes da 1 hora da madrugada de 25 de março de 1989, o petroleiro Exxon Valdez, da empresa americana Exxon, bateu num recife da costa do Alasca e derramou no oceano mais de 200 milhões de litros de petróleo. As investigações de um dos mais trágicos acidentes ecológicos de todos os tempos revelaram que a tripulação estava submetida a jornadas diárias de trabalho de 12 a 14 horas e turnos inadequados. As queixas de fadiga e sonolência eram comuns. No dia do acidente, o terceiro ofi cial, que estava no comando do navio, cochilou em serviço. O valor astronômico da multa paga na época pela empresa jamais compensará os prejuízos ambientais ainda observados na região 17 anos depois, como mostra estudo publicado em 2006 na revista da Sociedade Americana de Química.

No desastre nuclear de Chernobyl, Ucrânia, ocorrido em abril de 1986, os mesmos fatores estavam em jogo: longas jornadas de trabalho em turnos, privação de sono, sonolência excessiva; mas foram agravados pela pressão do governo para completar uma série de testes dentro de determinados prazos. Para “ganhar tempo”, os procedimentos foram programados para a madrugada e, curiosamente, ninguém questionou o desligamento de vários sistemas de segurança. O superaquecimento do reator foi constatado por volta da 1h30. Na tentativa de religar os sistemas de segurança, os sonolentos operadores cometeram um erro fatal: desligaram o resfriamento de emergência. A explosão espalhou lixo radioativo por mais de 3 mil km2. Cinco anos depois do acidente, a expectativa de vida dos ucranianos despencou de 74,5 anos para 63,3 anos.

Três meses antes de Chernobyl, o ônibus espacial Challenger explodiu menos de dois minutos depois de deixar o solo, matando toda a tripulação. A causa do acidente foi amplamente noticiada: um defeito numa peça do tanque de combustível − problema que, aliás, havia sido detectado e aparentemente reparado antes do lançamento. Menos divulgado, porém, foi o fato de não só a equipe de manutenção ter virado a noite para solucionar o problema, como os diretores que autorizaram a partida, a despeito das advertências dos engenheiros da Nasa, terem dormido muito pouco na noite anterior ao desastre.

ISTOCKPHOTO
A HORA DO trabalhador noturno é reduzida para 52 minutos e 30 segundos e remunerada 20% acima da hora diurna

PERCURSO DE UMA CAUSA JUSTA

O primeiro registro conhecido sobre as dificuldades do trabalho noturno está no livro do cientista alemão Georg Bauer (1494-1555) De re mettalica, de 1556, sobre atividades de mineração. O médico italiano Bernardino Ramazzini (1633-1714) descreveu em De morbis artificum, de 1700, a situação dos padeiros: “Quando outros artesãos terminam a tarefa diária e se entregam a um sono reparador de suas fatigadas forças, eles trabalham de noite e dormem quase todo o dia”.

O grande impulso das atividades industriais e comerciais no final do século XVIII e início do século XIX, acompanhado da transição da sociedade agrária para a industrial, levou milhares de pessoas, de todas as idades, para as cidades. A jornada de trabalho se tornou cada vez mais longa e extenuante. Os limites entre o dia e a noite e conseqüentemente o descanso dos trabalhadores deixaram de ser respeitados. Mas até o final do século XIX o trabalho noturno representava um percentual mínimo da produção econômica mundial. Esse cenário mudou radicalmente com a invenção da lâmpada elétrica por Thomas Edison em 1880.

Atualmente, em grandes empresas do setor químico, petroquímico e siderúrgico, os funcionários recebem escalas de trabalho e folgas com até um ano de antecedência. Muitas empresas implantaram a “semana comprimida de trabalho”, na qual a jornada geralmente é de 12 horas, em turnos fixos ou rodiziantes, por três ou quatro dias consecutivos, seguidos de período igual de descanso. A vantagem é o maior número de folgas consecutivas em comparação ao turno de oito horas. A principal desvantagem é a duração da jornada, que pode ser muito fatigante.

Apesar dos avanços das últimas décadas, ainda há muito a ser modificado na legislação que regulamenta os horários de trabalho no Brasil. Segundo a Constituição Federal, o trabalho noturno (realizado entre as 22 h de um dia até as 5 h do dia seguinte) é proibido aos menores de 18 anos. De acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a hora do trabalhador noturno é reduzida para 52 minutos e 30 segundos e remunerada 20% acima da diurna. Nos turnos em revezamento, os funcionários devem trabalhar no máximo seis horas diárias, exceto quando houver negociação coletiva. Muitas empresas pagam horas extras ou fazem acordos sindicais para aumentar essa jornada, que na prática fica entre oito e 12 horas por dia.

A décima revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-10) inclui o trabalho noturno e em turnos como agente etiológico ou fator de risco de natureza ocupacional no capítulo destinado às doenças relacionadas ao trabalho. Essa relação tem sido cada vez mais reconhecida por autoridades de saúde e pela justiça do trabalho, a ponto de já existirem pelo menos dois casos, ambos de 2006, de parecer favorável para trabalhadores noturnos, demitidos por justa causa, por terem cochilado em serviço. Nos dois processos, a ementa publicada pelo Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo diz que o sono faz parte da natureza humana. Trata-se de uma necessidade biológica complexa e não de uma faculdade. O fato de o empregado cochilar ou apresentar dificuldades cognitivas durante a jornada pode indicar afecções graves que devem ser tratadas e não simplesmente punidas.

© DREAMSTIME

PERIGO NOS PLANTÕES MÉDICOS

Longas horas de plantão médico afetam o raciocínio lógico e deterioram o desempenho. Um estudo sobre o tema foi realizado na Universidade de Tübingen, Alemanha, onde uma equipe supervisionada pelo médico Thomas Lingenfelser observou 40 médicos jovens e comparou seu desempenho após uma noite de folga com o que apresentavam depois de 24 horas de plantão. Os testes mediram rapidez de raciocínio e de resposta a determinados estímulos, poder de concentração e de processamento de informações em situações de distração. Em todos eles os médicos que haviam feito plantões e estavam privados de sono tiveram resultados 5% inferiores.

Quando a equipe de Lingenfelser examinou as respostas dos médicos nas tarefas hospitalares, o efeito foi mais grave. Uma delas envolvia memorização. Ao examinar um paciente, o médico estabelece uma lista mental de coisas que precisa fazer. Assim, quando está diante de uma contusão na cabeça, checa de imediato as reações da pupila e mais três ou quatro reflexos simples. Verifica o raciocínio e pede uma radiografia do crânio para ver se há fratura. Poderia completar com um eletroencefalograma (EEG), caso houvesse suspeita de dano cerebral. Note que a lista de providências é grande e precisa ser guardada na memória de curto prazo. Se algum dos itens for esquecido, uma parte importante da informação clínica será perdida. Quando os médicos foram testados quanto a essas tarefas rotineiras, observou-se um resultado 8% pior daqueles com débito de sono. Isso signifi ca que, em uma lista de checagem de 12 itens, um poderá ser esquecido.

É interessante comparar tal resultado com um estudo do psicólogo Ian Deary, da Universidade de Edimburgo, Escócia. Depois de uma noite de plantão, a capacidade do médico de lembrar uma série de fatos − resultados de exames, por exemplo − diminui cerca de 18%. Quer dizer: de cada cinco, um seria esquecido por causa do sono atrasado.

A segunda habilidade examinada pelos pesquisadores alemães foi a interpretação de eletrocardiogramas (ECG). Os médicos deveriam apontar, com base em um vídeo com traçados típicos de ECG, aqueles que apresentavam anormalidades. Esse é um dos procedimentos mais comuns nos hospitais, pois os problemas cardíacos são causa freqüente de emergências e também aparecem como complicadores associados a várias doenças ou ferimentos. O estudo demonstrou que os profissionais descansados tinham probabilidade 14% maior de detectar falhas no ritmo cardíaco que os médicos com débito de sono devido a um plantão. Ou seja, em cada sete problemas cardíacos, um não seria notado.

Outro estudo foi feito na Universidade Temple, na Filadélfia. Por meio de registro de EEG, a equipe do médico Leonard Goldman monitorou o ritmo cardíaco de cirurgiões enquanto operavam, a fim de detectar sinais de stress que prejudicam eficiência e coordenação. Para observar os médicos em ação, 33 cirurgias foram filmadas por um sistema de circuito interno de TV. Entre os voluntários testados, alguns tinham feito plantão e dormido menos de duas horas na noite anterior. Os pesquisadores compararam seus resultados com o desempenho de profissionais sem déficit de sono e verificaram detalhes assustadores. Os médicos com sono atrasado comportaram-se de modo indeciso e impreciso, utilizaram manobras cirúrgicas mal planejadas e desnecessárias durante quase um terço da operação, e 80% deles apresentaram ritmo cardíaco elevado, indicando severas condições de stress.

PARA CONHECER MAIS

Saúde e bem-estar de trabalhadores em turnos e noturnos. C. R. C Moreno et al., em São Paulo em Perspectiva, vol. 17, no 1, págs. 34-46, 2003.

Gênero e trabalho noturno: sono, cotidiano e vivências de quem troca o dia pela noite. L. Rotenberg et al., em Cadernos de Saúde Pública, vol. 17, no 3, págs. 639-649, 2001.

What happens to the body when one works at night. C. R. C. Moreno e F. M. Louzada, em Cadernos de Saúde Pública, vol. 20, no 6, págs. 1739-1745, 2004.

 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *